Páginas

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Análise: The Walking Dead: Season Two - Ep. 1: All That Remains


  • PONTOS POSITIVOS
  • Clementine
  • Mecânicas melhores
  • Tensão constante
  • PONTOS NEGATIVOS
  • Só para iniciados









CONSIDERAÇÕES

Para um começo de temporada, "All That Remains" cumpre bem seu papel. Traz de volta uma personagem querida dos fãs de "The Walking Dead", a jovem Clementine e estabelece, ainda que em partes, o cenário dos próximos capítulos.

Também mostra uma boa evolução em mecânicas de jogo e na interface, mais limpa e suave do que na temporada anterior. Por fim, mostra uma preocupação da TellTale em aplicar um ritmo mais intenso ao game, com sequências de ação ao estilo de "The Wolf Among Us".

O duro agora é esperar pelos próximos episódios - e descobrir se abraçar projetos demais em 2014 foi mesmo uma boa idéia para a TellTale.

INTRODUÇÃO

Ambientado algum tempo depois da primeira temporada de "The Walking Dead", "All That Remains" é o primeiro episódio da segunda temporada do premiado adventure e tem como principal destaque sua protagonista, a pequena e frágil Clementine.

Controlar a garota em um mundo cheio de perigos é muito mais tenso do que fazer o mesmo com Lee, o protagonista da primeira temporada. Clementine é uma criança e tudo é mais ameaçador - de mortos-vivos até adultos, não são poucas as encrencas no caminho da menina.

Vale lembrar, "The Walking Dead" é um adventure onde os principais elementos são o roteiro e os personagens. Suas escolhas são transferidas entre cada episódio e da primeira temporada para a segunda. Se você não jogou a primeira temporada, nem pense em começar por aqui.

PONTOS POSITIVOS

  • Clementine
  • Com "The Walking Dead", a TellTale se mostrou mestra na arte de criar e desenvolver personagens e nenhum foi tão trabalhado quanto a garotinha Clementine. Jogar com ela como protagonista nessa segunda temporada é uma experiência excepcional: você descobre que a menina aprendeu a se virar no mundo pós-apocalíptico e é cheia de personalidade.

    Também se preocupa com ela, com sua tristeza, dor, sofrimento. Afinal, você passou a temporada anterior de "The Walking Dead" conhecendo essa menina através dos olhos de Lee.

    O fato é que Clementine é uma criança, por mais habilidosa e petulante que seja. Isso torna tudo mais perigoso: animais, intempéries, mortos-vivos famintos e claro, adultos são ameaças constantes e qualquer descuido resulta na morte da garota.

    É preciso pensar rápido antes de agir e, embora no começo você pense como jogador, não leva muito para se colocar no papel da garotinha e tentar decidir as coisas do jeito dela.
  • Mecânicas melhores
  • Em "All That Remains", a TellTale mostrou que aprendeu algo com a primeira temporada de "The Walking Dead" e fez controles melhores e uma interface mais limpa e fluída para a segunda temporada. Os ambientes são mais abertos do que no jogo anterior, o que reduz as chances do seu personagem ficar travando pelos cantos ou quando se choca com algum objeto.

    O episódio inicial da segunda temporada traz uma boa variedade de cenários e situações que ficam complicadas rapidamente, mantendo um bom ritmo entre a exploração, o desenrolar do enredo, momentos de tensão e boas cenas de ação, com comandos vindos diretamente de "The Wolf Among Us", outro adventure da mesma produtora.
  • Tensão constante
  • Em "All That Remains", Clementine vai conhecer outros sobreviventes, explorar florestas e se meter em mais de uma enrascada. Você terá momentos introspectivos, mas também terá que discutir com adultos, fazer escolhas difíceis e lidar com mortos-vivos, entre outros problemas.

    Ao mesmo tempo em que apresenta novos personagens e tenta criar a ambientação da segunda temporada de "The Walking Dead", o game mantém um clima de tensão constante, onde a sobrevivência é determinada pela esperteza, por palavras, escolhas ou por uma boa pancada na cabeça.

    As sequências de ação às vezes envolvem vários elementos e você precisa pensar rápido para acertar tudo - ou embarcar num esquema de tentativa e erro até concluir a cena com vida.

PONTOS NEGATIVOS

  • Só para iniciados
  • Esse não é propriamente um ponto negativo, mas sim um aviso: só jogue "All That Remains" - e os próximos episódios - após concluir a primeira temporada de "The Walking Dead". Se você não fizer isso, o jogo vai definir escolhas aleatórias para os eventos anteriores e, pior ainda, você não vai ter a mesma relação com a personagem e algumas cenas do começo do episódio.

    Após os momentos iniciais, a ambientação se afasta do cenário e dos personagens familiares, introduzindo um novo grupo e situações inesperadas. Porém, fica claro que tudo isso deve mudar nos próximos capítulos - deixando os jogadores roendo as unhas até a chegada do episódio seguinte.